Não são apenas tiros que vencem a guerra!

Sua empresa precisa estar preparada para a guerra. Os empresários sofreram muitas perdas nos últimos meses. E não digo perda apenas no sentido financeiro. Temos enfrentado tempos difíceis e por isso tem sido necessário ser criterioso e dar prioridade ao que realmente faz sentido.


Emanuele Toledo - Publicado em: 14/09/2020



post img



Durante esse período de pandemia muitos soldados ficaram para trás, ou mesmo perderam a munição para continuar a luta.

Quando você entra em uma batalha, naturalmente pensa que o seu poder de fogo é o que define o vencedor. Mas isso não é necessariamente verdade. Deixa eu te contar uma história: um simples jovem norte americano combatente do exército dos Estados Unidos na 2ª Guerra Mundial conquistou a Medalha de Honra na batalha de Okinawa sem disparar nem um tiro!

Se você já assistiu ao filme: “Até o último homem” vai entender melhor sobre o que eu estou dizendo; esse filme conta a história real de Desmond Doss, um jovem cristão que apesar de repudiar todo tipo de violência, decide se alistar ao exército norte americano para atuar como médico, servindo ao seu país durante a 2ª Guerra Mundial.

No entanto, por ir contra aos seus princípios usar arma de fogo, Doss toma a decisão de não tocar em um único armamento em seu período no exército, convicto de que estaria ali para ajudar a salvar vidas e não a tirá-las. Por este motivo, o combatente passa a ser hostilizado por seus companheiros de guerra, sofrendo todo tipo de humilhação, sendo o único entre seus colegas a negar seguir as ordens de pegar em armas.

Apesar de passar uma imagem covarde aos demais, ele insistiu em seguir sua intuição e valores e não desistiu um segundo de lutar pelo o que realmente acreditava. Por toda sua coragem e braveza de encarar uma batalha desarmado mesmo desacreditado por todos, Doss torna-se um verdadeiro herói porque atuou no resgate e cuidados com seus companheiros do exército e salvou mais de 75 vidas na batalha de Okinawa.

Se os oficiais de Doss tivessem desconsiderado sua real habilidade (resgatar e cuidar combatentes) ou mesmo se ele decidisse usar um fuzil ao invés de equipamentos médicos, o mais provável é que ele rapidamente estaria morto em uma trincheira, assim como as 75 pessoas que ele salvou.

Provavelmente na sua equipe existem soldados que se destacam não pela habilidade técnica de saber manusear algumas armas, mas por valores e habilidades comportamentais assim como Doss. Em muitos momentos (principalmente nos de crise), inspirar o exército pode ser mais útil do que disparar mais tiros.

Assim deve ser nas organizações. Seu exército precisa ter competências técnicas e comportamentais, mas te garanto que aprender a inspirar uma equipe é mais difícil que apertar um gatilho.

Foi necessário passar por campos minados e muitos ferimentos para notar que as dificuldades apenas te fortalecem. Para liderar uma tropa ao sucesso, você precisa recrutar seu exército para combater, mas nem sempre apenas para atirar.

Todo general precisa estratégia e força, nós podemos te ajudar no recrutamento dessas competências! Clique aqui para conhecer nosso kit de primeiros socorros.


Leia também: